Anime Ao Haru Ride, um shoujo fofo!


Oi, pessoal! Hoje vamos falar de anime? Em Janeiro, quando o novo layout do blog foi ao ar, eu havia dito que algumas mudanças iriam ser feitas, e que iria trazer dicas de animes e mangás ao longo do ano, pois é um tema que adoro. Vocês já estão conferindo algumas indicações de mangás que tenho feito aqui no blog, e hoje trago a primeira dica de anime para vocês. Para quem não sabe, desde pequena sou apaixonada por animes, sempre assisti vários, dentre eles: As Guerreiras Mágicas de Rayearth, Sailor Moon, Sakura Card Captor, Dragon Ball, X/1999Samurai X (Hurouni Kenshin), Naruto, PokémonVampire Knight, Zero no Tsukaima, Bleach, Death Note, Chobits, Claymore, entre muitos e muitos outros. Ao longo dos próximos meses vou trazer muitas (muitas mesmo) dicas de animes para vocês assistirem e viciarem!

Kou Tanaka e Futaba Yoshioka <3
Para começar, vim falar de Ao Haru Ride (アオハライド, Aoharaido), que em uma tradução literal significa Passeio pela Primavera Azul. Assisti este anime em apenas dois dias! Dois dias! E isso porque tinha que parar para comer, trabalhar e dormir, claro. Praticamente não conseguia parar de ver, pois é viciante e muito fofo! Sabe aquele anime que você quer assistir todo de uma vez e quando termina quer mais? A primeira temporada conta com 13 episódios, com cerca de 24 minutos de duração cada, e termina em aberto, pois no mangá a história tem continuidade.

O anime se baseia nos primeiros 15 capítulos do mangá, sendo que ele conta com 49 capítulos encadernados em 13 volumes. Ou seja, ainda tem muito pano para a manga. E, antes de começar a falar do anime propriamente dito, tenho que dizer que meu maior desejo é que ele não fique apenas na primeira temporada, e que sua segunda temporada acabe se tornando uma realidade, apesar de ainda não haver nenhum notícia confirmando de que será realmente feito.

O Melhor de Mário de Andrade, pela Editora Nova Fronteira


Vamos falar de Mário de Andrade? O autor (1893 / 1945) é um dos grandes ícones da literatura brasileira do século XX. Nascido em 1893, em São Paulo, foi escritor, poeta, folclorista, ensaísta, musicólogo e crítico literário. Autodidata, aprendeu e desenvolveu o gosto pela história, arte e poesia. Além da língua nativa, sabia falar francês, também. Em Pauliceia Desvairada, Mário de Andrade tornou-se um dos grandes marcos da poesia moderna brasileira. Mário de Andrade veio a falecer em 1945, aos 51 anos de idade, por conta de um enfarto do miocárdio em sua residência na cidade de São Paulo. Ele deixou uma grande coletânea de livros, poesias e contos que até os dias de hoje são objetos de leitura por leitores de todas as idades e gostos literários. 

[Resenha] Provação, de Troy Denning

Livro cedido pela editora para resenha
ISBN: 9788576572091
Série: Star Wars Legends
Tradução: Alexandre Mandarino
Ano de Lançamento: 2015
Número de Páginas: 408
Editora: Aleph
Classificação: ♥♥♥♥  Favoritado!
Provação se passa 40 anos após o acontecimentos do filme STAR WARS – Episódio VI. A trama se inicia quando Lando Calrissian pede ajuda para enfrentar um grupo de piratas em uma de suas minas. Dois grandes vilões, movidos por vingança e ambição e talvez ainda mais perigosos que o próprio Império, farão o ex-contrabandista e a esposa, agora cavaleira Jedi, se unirem novamente a Luke nessa aventura que explora dinâmicas da Força de uma forma nunca antes feita.  

Troy Dening é um escritor estadunidense nascido em 1958, fã de histórias de ficção científica e fantasia, tendo começado a escrever aos quatorze anos de idade. Além de escritor, Denning começou a trabalhar como Gerenciador de Designer de Games nos anos de 1980 e escreveu histórias de fantasia para jogos de RPG das séries de livros Forgotten Realms, Dark Soul e Planescape. Troy Denning ingressou no universo expandido de Star Wars com o lançamento do livro Star By Star, em 2001, seguido por mais doze livros, sendo o último Crucible (Provação). Todos os seus livros tiveram ótima aceitação de público e de crítica literária, mantendo-se todos na média de quatro estrelas.


Provação, da série Legends, é um grande lançamento da Editora Aleph em edição digna de colecionador, fãs da série e aficionados por Sci-Fi. Adorei a capa e o trabalho gráfico caprichado dessa edição brasileira; há muitos campos estelares e a Millenium Falcom ilustrando e dividindo cada capítulo da obra. Um show visual.


Quanto ao livro, achei-o excelente. Gostei tanto que já estou ansiosa pelo próximo lançamento da série Legends: Ascensão da Força Sombria, segundo livro da Trilogia Thrawn.

[Resenha] República de Ladrões, de Scott Lynch

Livro cedido pela editora para resenha
ISBN: 9788580413915
Tradução: Alves Calado
Ano de Lançamento: 2015
Número de Páginas: 544
Editora: Arqueiro
Classificação: ♥♥♥♥ 
Envenenado e à beira da morte, Locke Lamora segue para o norte com seu parceiro, Jean Tannen, em busca de refúgio e de um alquimista para curá-lo. Porém, a verdade é que ninguém pode salvá-lo. Com a sorte, o dinheiro e a esperança esgotados, os Nobres Vigaristas recebem uma oferta de seus arquirrivais, os Magos-Servidores. As eleições do conselho dos magos se aproximam e as facções precisam de alguém para fazer o trabalho sujo, manipulando votos. Se Locke aceitar, o veneno será purgado de seu corpo com o uso de magia – mas o processo será tão excruciante que ele vai desejar morrer. Locke acaba cedendo ao saber que o partido da oposição contará com uma mulher do seu passado: Sabeta Belacoros, a única pessoa capaz de se igualar a ele nas habilidades criminosas e mandar em seu coração. Novamente em uma disputa para ver quem é o mais inteligente, Locke precisa se decidir entre enfrentar Sabeta ou cortejá-la, e a vida dos dois pode depender dessa decisão. 

“Coloque dez dúzias de ladrões órfãos numa toca úmida feita de abobadas e túneis embaixo do que antes havia sido um cemitério, deixe-os sob a supervisão de um velho parcialmente aleijado e logo você descobrirá que controlá-los se torna um negócio delicado.”

Assim começa a terceira parte da saga dos Mestres Vigaristas, iniciada com As Mentiras de Locke Lamora, e seguido por Mares de Sangue, já editados pela Editora Arqueiro e já resenhados no blog.

República de Ladrões é basicamente dois livros em um. Inicia-se, como vimos acima, contando as peripécias de Locke Lamora quando ele era apenas um pirralho lutando pela vida nos bairros sórdidos de Camorr, e encontra a sua paixão, Sabeta. A narrativa se desenrola no passado dos jovens e nobres vigaristas, desde a sua infância até a adolescência, mostrando novas facetas da trupe de ladrões sob a tutela do Padre Correntes. O foco principal aqui é a interação de Locke com Sabeta, suas constantes disputas pelo primeiro lugar entre os vigaristas. Isso, obviamente, irá ter um reflexo muito grande nos acontecimentos no futuro.

A belíssima arte nouveau de Hannah Alexander - Uma homenagem à minha mãe!

Este post é uma homenagem à pessoa mais linda e maravilhosa da minha vida, que faleceu este fim de semana que passou. Este post é em memória à minha mãe, Miriam, minha grande amiga, companheira, conselheira. O maior tesouro que eu tinha na vida. Ela, que era minha grande inspiração para muitas das coisas que eu fazia no blog e na minha vida. Ela que, apesar de todos os seus problemas de saúde, sempre estava com um sorriso no rosto, sempre estendia a mão, sempre lutava. Ela que me apoiava e dava grandes ideias para o blog, que me aturava falar entusiasmadamente de cada nova conquista e leitura, de cada novidade. Ela, que semana passada, junto comigo, viu estas lindas artes e, também junto comigo, se apaixonou e me ajudou a escolher quais artes iria mostrar no post.

Então, este post não existiria sem ela, assim como o meu blog não seria o que é hoje sem a maravilhosa presença e inspiração dela, e de tudo o que ela significou e representou para mim. Por isto, este post é muito especial e é uma homenagem à sua lembrança. 

A arte nouveau de Hannah Alexander:

Hannah Alexander, 26 anos, inglesa. Um dos pontos que mais gostei é seu estilo Nouveau (saiba mais). Ela criou versões lindas principalmente das princesas e personagens da Disney (as minhas favoritas), mas também há de animes, jogos, etc. As cores são suaves e casam muito bem, de forma a criar artes suaves, poéticas e muito românticas, com muitas flores e detalhes, o que fez com que eu e minha mãe ficássemos apaixonadas. Confira: