Resenha: O Lobo Atrás do Espelho de Fausto Wolff

29 agosto 2011
Postado por Livy

O Lobo Atrás do Espelho
Fausto Wolff

ISBN: 9788573587500ISBN  
R$ 29,00
Nº de Páginas:
276
Editora: Editora Leitura
Pontuação: ♥ ♥ 
Sinopse: O lobo atrás do espelho, romance policial, desenvolve-se a partir de uma trama complexa, em que duas histórias, desconexas à primeira vista, correm paralelas até se cruzarem surpreendentemente. Elas aparecem intercaladas nos capítulos em que se apresentam. O tempo da narrativa não é linear, o que pode ser observado no fato de que cada capítulo recebe os títulos "Muitos anos antes" ou "Muitos anos depois", de acordo com a relação de anterioridade ou posterioridade estabelecida com aquele que lhe sucede. O espaço de ambas as histórias também é bastante variado, uma vez que seus personagens circulam por lugares diversos, desde uma fazenda no interior do Rio Grande do Sul até outros países, como o Paraguai e a Hungria.

Europa, ano-novo de 1899, Jamal conhece uma princesa cigana de 14 anos por quem se apaixona. Porém, Parthênia está comrometida ao príncipe Lenko da Romênia. Dez anos depois, Jamal a sequestra e a leva para a Inglaterra. Apesar de sua contrariedade em aceitar essa união forçada, Parthênia casa-se com Jamal para ter um filho que um dia possa vingá-la. Dessa união, nasce Cosmo. Ele, por sua vez, irá conhecer e desposar uma bela princesa cigana, Helena, de cuja união nascerá Antonio e Caio. Jamel também conhecerá Eva, uma ex-prostituta chamada Lilith, esposa de Adão, seu capataz na fazenda Paraíso, a qual irá ter um filho seu.
Três gerações de uma mesma família que margearão os principais acontecimentos do século XX, em cem anos de história.

Em suma, essa é apenas uma pincelada do que vem a ser O Lobo Atrás do Espelho. Pois, Fausto Wolff escreve um romance de estilo próprio. Um romance que é um desafio ao nosso intelecto, pois reúne aspectos de psicologia, sociologia, mitologia, filosofia, politíca, poesia, modernismo, ciência, literatura clássica, naturalismo... a vanguarda cultural do início do século XX. Por esse motivo, alguns diálogos acabam ficando interessantes e, em alguns casos, bastante instrutivos. Como, por exemplo, a explicação que Jamal dá a Adão a respeito das manadas de cavalos xucros. Sinceramente, eu nem fazia ideia de que os cavalos se comunicavam entre si por sinais ao movimentarem as orelhas e o rabo.

Ao longo das 276 páginas do livro, cada capítulo nos leva ora para o passado, ora para o momento presente, na vida dos pensonagens. Achei a temporalidade meio confusa, onde conseguimos nos situar apenas pelo nome dos personagens e por fatos históricos específicos da época em que eles estão mais evidentes. Fiquei com a impressão de que a falta de uma linha de tempo mais precisa seja proposital, pois, em determinados momentos passado e presente parecem ser uma coisa só.

Apesar da originalidade sui generis do autor, O Lobo Atrás do Espelho é um ronance que não chega a ser excepcional. Do meu ponto de vista, o romance é mediano e encontrará um público alvo mais seleto, com um gosto mais refinado pela erudição, talvez.

A história do livro é interessante, porém me pareceu confusa. Também encontrei pouco carisma nos personagens, e nenhum deles conseguiu me encantar. Lamentei muito essa carência, pois o autor não se aprofunda na intimidade dos mesmos. Pelo menos, não quando deveria fazê-lo. O sequestro de Parthênia, por exemplo, quando Jamal a leva para à Inglaterra, foi tratado muito superficialmente. O autor poderia ter-se aprofundado aí, criado uma carga emocional mais forte, envolvendo o leitor no drama da jovem cigana. E isso, infelizmente, ocorre ao longo de quase todo o livro. Talvez seja porque o livro careça de dramaticidade, algum suspense e, até mesmo, de um elo mais forte e apaixonate entre as três gerações da família originada por Jamal. O livro não me empolgou a ponto de me convencer uma releitura.

Prós: A capa do livro; alguns diálogos interessantes; a conversa de Jamal com Adão quando estão indo atrás dos cavalos selvagens; Contra: Personagens sem carisma; da forma como os capítulos foram nomeados; sequência temporal entre os capítulos confusa; falta dramaticidade, paixão, convencimento; um elo mais forte entre as gerações da família; o final fraco.


NOTA EXTRA:  
CAPA = 8
NARRATIVA = 5
ORIGINALIDADE = 8
PERSONAGENS = 5
HISTÓRIA = 5
NOTA GERAL = 6,2

Comentários via Facebook

14 Comentários:

  1. Que pena que essa foi avaliação final do livro!
    Comecei a resenha bem interessada no livro e me desanimei ao lê-la inteira.
    É um problema pra mim encontrar uma história em que falta paixão, conexão com a história, além de uma narrativa confusa.
    De qualquer forma, o livro parece ter uma história interessante e bem recheada culturalmente falando!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Tive a mesma inpressao que a Aione.
    Comecei a ler a resenha e fiquei na expectativa, mas no fim a historia parece se rbem decepcionante.
    Sua avaliaçao sobre o livro tbm aparece ter mostrado o msm. Nao sei se gostaria msm dele, ate pq a capa nao me chama atenção, da mesma forma que a historia.
    bjim

    ResponderExcluir
  3. É tenso isso né? Você pensar que um livro interessante e ao lê-lo ver que se enganou.
    Não curto muito esse tipo de história que se passa lá pra 1800 e tralálá. A capa antes mesmo de ler a resenha já me deu uma desanimada, enfim.

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Eita eu pensei que esse livro fosse muito bom, mas pelo jeito.
    Fiquei um pouco desanimada agora.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Bom , meu apego pelo erudito deixa muiito a desejar, entao acho q o livro n é uma boa pedia.
    Tinha me interessado a um tempo atras pela historia, mas deixei de lado e hj pela resenha q escreveu percebi q me iludi e o livro n é nada do q eu pensava.
    Parabens pela resenha que ficou otima!!!
    beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Eu pensei que fosse um livro bom, mas agora mudei de ideia, a resenha ficou ótima.

    ResponderExcluir
  7. Interessante perceber como a opinião de alguém sobre algo exerce tanta influência sobre outras pessoas! Eu vou ler o livro, pois no final a única opinião que realmente importa é a minha.

    ResponderExcluir
  8. Pela impressão que tenho de outros trabalhos do autor, desconfio que o livro tem um sentido que o comentarista não captou.

    ResponderExcluir
  9. Conheço outros textos do autor (Fausto Woolf) e, até mesmo pelo título do livro (O Lobo no Espelho), desconfio que o comentarista não alcançou a profundidade do livro.

    ResponderExcluir
  10. Pela impressão que tenho de outros trabalhos do autor, desconfio que o livro tem um sentido que o comentarista não captou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De acordo. Acho esse livro sensacional. Gostei muito.

      Excluir
  11. Olá a todos, é primeira vez que entro no blog, e contrariando o posto sobre o comentário do livro, devo dizer que não concordo eu li um versão de O Lobo atras do espelho de quase quinhentas páginas e o devorei em 2 dias. Achei instigante e muito envolvente o ir vir da história, e elas acontecendo paralelamente... Eu gostei e recomendo.

    ResponderExcluir
  12. Olá a todos, é primeira vez que entro no blog, e contrariando o posto sobre o comentário do livro, devo dizer que não concordo eu li um versão de O Lobo atras do espelho de quase quinhentas páginas e o devorei em 2 dias. Achei instigante e muito envolvente o ir vir da história, e elas acontecendo paralelamente... Eu gostei e recomendo.

    ResponderExcluir
  13. Eu não compartilho da opinião relatada na resenha. Adorei esse livro. Recomendo muito.

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por