Resenha: Ossos Inquietos de Melvin R. Starr

14 setembro 2011
Postado por Livy

Ossos Inquietos
Melvin R. Starr

ISBN: 978-85-62877-17-9
Páginas: 256
Ano:
2010
Editora: Garimpo Editorial
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5)
Sinopse: Para Uctred, os ossos que encontrara ao lado do muro do castelo de Bampton provavelmente eram de algum porco que morrera no fosso. Foi então que viu o crânio humano e constatou que alguma coisa muito grave ocorrera na terra de lorde Gilbert. Para identificar o esqueleto e, conseqüentemente, solucionar o enigma, o nobre convoca Hugh de Singleton, um cirurgião recém-treinado. Ossos inquietos é uma envolvente história de mistério e intriga combinados com maestria em uma trama que se passa na Inglaterra de Eduardo III, dominada por senhores feudais e assombrada pela peste negra. A narrativa de inspiração noir, cheia de viradas surpreendentes, personagens imprevisíveis e toques de humor, é tão eletrizante quanto magnética.

Século XIV, Inglaterra. Um esqueleto é encontrato no fosso do castelo de Lorde Gilbert. De quem é aquele esqueleto? Como ele foi parar ali? Qual a ligação daquela descoberta com os moradores do castelo? Para responder a estas e outras perguntas, entra em cena Hugh de Singleton, um cirurgião contratado por Lorde Gilbert para trabalhar como médico na vila do castelo. Sem possuir nenhum conhecimento investigativo, Hugh irá se desdobrar entre as suas pátricas como médico e a tentativa de bancar o "detetive". A partir das partes daquele esqueleto, Hugh terá de reconstruir o passado e chegar a verdade por trás daquela morte misteriosa.

Como não poderia deixar de mencionar, gostei muito da capa do livro. Adorei esse tom de pergaminho envelhecido, com o casal na parte inferior esquerda e o esqueleto logo acima. A capa, por si só, já diz tudo. Além da capa, gostei muito da editoração gráfica do livro. Todos os inícios de capítulo tem fundo em preto, com letras brancas, e com capitulares em estilo luminura. Um excelente trabalho que deixou o livro com cara de antigo. Aliás, não foi somente a capa ou a parte gráfica que me surpreendeu. Confesso que não esperava grande coisa do livro quando iniciei a sua leitura. Havia me empolgado pela capa e pela sinópse, porém não fazia ideia de que havia muito mais conteúdo no livro do que imaginava. De fato, o livro superou as minhas espectativas. A medida em que a leitura fluia, descobri o seu verdadeiro valor. Ossos Inquietos é um daqueles livros meio que desconhecido que não prometem nada além de uma capa interessante e a perspectiva de uma história passável. No entanto, a medida em que me aprofundei na narrativa, descobri que o livro tem muito a oferecer.
Ossos Inquietos não é um romance original. Há muitos outros títulos do gênero que poderiam servir de comparação, porém nem todos cumprem com satisfação o que prometem em suas capas ou nas sinópses. Ossos Inquietos, felizmente, é uma excessão.

Melvin R. Starr tem seu mérito ao brindar-nos com uma narrativa cativante, de fácil leitura, com suspense crescente e situações surpreendentes que nos levam por uma Inglaterra medieval bem ambientada, com costumes e maneirismos típicos da época. Um constraste entre os bem-sucedidos e abastados e os mal-nascidos e miseráveis, envolvidos numa invistigação "policial" digna de um seriado do tipo CSI. Nesta atmosfera bem construída, com bons diálogos e personagens apaixonantes, Melvin cria uma história policial-medieval de primeira linha, com muito suspense, investigação, romance, filosofia e amor. Ingredientes que, certamente, são quisitos indispensáveis para um bom romance de época.
Ao contrário de outros autores do gênero que se utilizam de personalidades históricas para compor seu protagonista, Melvin nos apresenta Hugh de Singleton, um completo anônimo que tem a árdua missão de desvendar o mistério da morte por trás daquele esqueleto e, de quebra, exercer as suas práticas como cirurgião. Hugh de Singleton cumpre bem o seu papel e nos cativa logo de início. Sem rodeios ou verborragias, Melvin vai direto ao ponto, tece seu suspense como uma aranha caprichosa tece sua teia. Quando me dei conta, já estava presa nela. E assim fiquei até a conclusão da trama.

Em Ossos Inquietos, Melvin não se preocupou apenas em recriar uma atmosfera condizente com a Inglaterra medieval do século XIV. Ele também recriou os constumes, os pensamentos, os temores, a religiosidade, o conhecimento, os conflitos sociais, as ilusões, os devaneios e as esperanças das pessoas daquela época. A empatia narrativa me transportou com facilidade para dentro daquela universo medieval, como se estivesse assistindo à um filme.
Mas, sem dúvida alguma, o ponto alto de Ossos Inquietos é o suspense por trás da descoberta do esqueleto. Creiam-me, mesmo quando eu já achava que sabia o que tinha acontecido, Melvin conseguiu me manter presa à narrativa para me fazer descobrir como aquilo aconteceu e por que aconteceu. Isso sem falar na guinada de 180 graus que o autor deu na história mais adiante, um pouco depois da metade do livro, deixando-me de boca aberta. Quando você pensava que já sabe tudo, descobre que não sabe nada.

Bom, concluindo, Ossos Inquietos é um bom livro, uma ótima leitura e uma agradável surpresa. Uma história simples, porém muito bem escrita e por demais cativante. Hugh de Singleton é apaixonante. Merece ser lido e apreciado por todos os amantes da boa leitura. E já estou ansiosa pela próxima aventura de Hugh de Singleton.

Dentre as muitas reflexões que me fiz ao longo da leitura desse livro, uma que me atingiu em cheio foi a condição de vida das pessoas daquela época. Olhando para o modo de vida de Hugh de Singleton e de outras pessoas com quem ele tem contato, fica impossível não erguer as mãos para o céu - como diria minha avó -, e agradecer a Deus por termos tido o previlégio de viver na época atual. E olha que tem gente que, apesar de tudo de bom que tem, ainda assim faz questão de não agradecer o pouco que tem.

O livro é recomendadíssimo. Leiam e divirtam-se. Boa leitura para todos.

NOTA EXTRA:
CAPA =  ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5)
HISTÓRIA = ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5)
NARRATIVA = ♥ ♥ ♥ ♥ (4/5)
PERSONAGENS = ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ (5/5)      
ORIGINALIDADE =  ♥ ♥ ♥  (3/5)

Comentários via Facebook

6 Comentários:

  1. Olá...gostei da capa e muitoo da resenha. Gosto de historias de epocas antigas, que tenham algum mistério envolvido. Adorei o post!!

    ResponderExcluir
  2. Paraben pela resenha.
    Gosto desse tipo de historia, mas nao e uma das minhas prediletas, acho que depois de um determinado ponto, se nao acontece nada que chame mt a atençao, acaba ficando cansativo...
    Ainda nao tinha ouvido fala desse livro.
    bjim

    ResponderExcluir
  3. Gostei da capa, meio velha sei lá, eu gostei.
    Curti a sua resenha, mas não é o tipo de livro que me interessa.

    beijo

    ResponderExcluir
  4. Adoro historias assim =D
    Parece bem legal, gostei da resenha

    Beijos - Mariana

    ResponderExcluir
  5. Livy florzinha, n tinha ouvido falar sobre esse livro ainda e confesso que me agradou bastante. Me lembrou muito Labirinto da Kate Mosse, mas creio q é só uma vaga similiaridade.
    Gosto de historias assime vou querer ler sim. Ja anotei.
    A capa ja nao gostei muito, mas acho que o livro tem muito a oferecer pelo q li na resenha.
    Abraço

    ResponderExcluir
  6. Eu terminei de ler a pouco tempo, e o final me deixou dessapontada, o livro termina e não conta o que aconteceu com alguns personagens.

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por