Resenha: O Fim de Todos Nós, de Megan Crewe

28 agosto 2013
Postado por Livy

O Fim de Todos Nós
Megan Crewe
ISBN: 9788580573305 
Tradutor: Rita Sussekind
Ano: 2013 
Páginas: 272
Editora: Intrínseca
Pontuação: ♥ ♥ ♥  
Kaelyn acaba de ver o melhor amigo partir. Ela tem dezesseis anos e voltou agora para a ilha onde nasceu, depois de um período morando no continente; ele está fazendo o caminho inverso, para estudar fora. O que sentem um pelo outro não está muito claro, ela o deixou ir embora sem nem mesmo dizer adeus, e a última coisa que passa por sua cabeça é nunca mais vê-lo. Mas, pouco tempo depois, isso está bem perto de acontecer. A ilha de Kaelyn foi sitiada e ninguém pode entrar nem sair: um vírus letal e não identificado se espalha entre os habitantes. Jovens, velhos, crianças - ninguém está a salvo, e a lista de óbitos não para de aumentar. Entre os sintomas da doença misteriosa está a perda das inibições sociais. Os infectados agem sem pudor, falam o que vem à mente e não hesitam em contaminar outras pessoas. A quarentena imposta pelo governo dificulta as pesquisas em busca da cura, suprimentos e remédios não chegam em quantidade suficiente e quem ainda não foi infectado precisa lutar por água, energia e alimento.  Nem todos, porém, assistem impassíveis ao colapso da ilha. Kaelyn é uma dessas pessoas. Enquanto o vírus leva seus amigos e familiares, ela insiste em acreditar que haverá uma salvação. Caso contrário, o que será dela e de todos? Afiado e atordoante, O fim de todos nós é a história da força de vontade e da bravura de uma garota comum forçada a reavaliar seus medos e escolher entre a própria humanidade e a sobrevivência.

Terrível, triste e devastada. É assim que me senti ao término da leitura de O Fim de Todos Nós. E posso garantir que são estas e tantas outras definições de mesmo nível que definem o livro. Estava um tanto ansiosa para conferir a história de O Fim de Todos Nós, e ao mesmo tempo um tanto receosa, e confesso que de início não esperava muito do livro.

Ao começar a leitura deste primeiro volume da série Fallen World, estranhei um pouco a narrativa de Megan Crowe. A autora utiliza de Kaelyn como narradora em primeira pessoa, através de um diário que a garota está escrevendo para seu ex-melhor amigo Leo, ao qual ela menciona diversas vezes, e utiliza de datas para iniciar seus relatos. De início, achei a narrativa um tanto superficial em alguns pontos, e muito detalhada em pontos que não via necessidade alguma. Também senti falta de descrições dos personagens, por exemplo. Mas esta estranheza foi apenas no início. Outro detalhe é que a trama se desenrola aos poucos e demora um pouco para engrenar, mas quando engrena... É de tirar o fôlego. Mas não por ter ação, não! Mas por todos os acontecimentos que se sucedem e nos arrancam o ar. Que nos fazem prender o fôlego sem perceber!

Ao decorrer da leitura, não só me vi totalmente envolvida com a narrativa de Crowe, como também não consegui largar o livro até chegar à última página! Sua narrativa se tornou viciante e me envolveu de uma forma que realmente não esperava. E... UAU! A autora me pegou de jeito em diversos aspectos. E um deles foi que, no fim das contas, eu acabei gostando muito do livro, algo para o qual simplesmente não estava preparada. E adoro este tipo bom de surpresa.

Crowe conseguiu criar uma trama tão real e amedrontadora, que nos dá medo e nos faz pensar: e se isso acontecer? E se isto estiver acontecendo neste exato momento? Mas digo mais: isto já aconteceu! Claro, não do mesmo jeito apresentado no livro, mas, vemos através dos tempos, e em um passado não tão distante, que desastres envolvendo novos tipos de vírus já surgiram e dizimaram milhares de pessoas ao redor do mundo. Talvez você já tenha ouvido falar da Peste Negra que dizimou um terço da população durante a Baixa Idade Média, uma verdadeira pandemia causada por uma bactéria. E mais recentemente vimos a Gripe Aviária e a Gripe Suína com seus vírus H5N1 E H1N1 infectando milhares de pessoas.

E então podemos nos perguntar: o livro O Fim de Todos Nós, de Megam Crowe é uma ficção? Pois para mim, não, não é! É claro, é um livro totalmente ficcional, mas com fatos e acontecimentos muito reais.

Kaelyn, é uma garota que sofre um tanto pela perda de seu melhor amigo Leo. Há alguns anos eles tiveram uma briga, antes do rapaz sair da ilha onde moravam, e nunca mais se falaram. Desde então Kae se sente muito sozinha e tenta, depois de muito tempo, se enturmar com outras pessoas. Reforça sua amizade com Rachel e Mackenzie, e decide mudar certas atitudes e ser mais sociável. Mas acontece que o que ela realmente gosta é ficar sozinha observando a natureza e os costumes de animais. Além, de alimentar a esperança de reencontrar com Leo e poder se desculpar.

Mas Kae talvez nunca tenha esta chance, pois do nada um vírus surge na ilha. Um vírus novo e desconhecido. Os sintomas iniciais são: espirro, tosse e uma insistente coceira que não passa. Depois vem a desinibição social: a pessoa fala tudo o que pensa e faz coisas estranhas, tendo alucinações, gritando, perdendo o controle. E então vem a morte.

A doença parece estar sendo controlada de início. O governo do continente, não muito distante dali, promete estar ajudando sempre com mantimentos e medicamentos, e coloca a ilha em quarentena. Mas a verdade: não há como controlar a doença, que se espalha rapidamente, e dizimando os habitantes da ilha. Não há controle, não há saída. Não há ajuda! Todos os habitantes estão presos na ilha sem poder sair. Ninguém entra também. E com o tempo até mesmo o que parecia seguro e certo, começa a perder o sentido e a força. Surgem o: desespero, caos... e a esperança, ou a perda total dela!
[...] Só quero que isso acabe. Quero que as lojas reabram e que as pessoas possam conversar sem máscaras cobrindo-lhes os rostos, e que mais ninguém morra, nunca mais. pág. 100
Kae é umas das personagens que têm de enfrentar o vírus e fazer de tudo para se proteger. Através dela conhecemos também tantos outros personagens importantes, como seu pai que é um microbiologista e ajuda no hospital da ilha e no centro de pesquisa para achar uma cura para o vírus; sua mãe e seu irmão, Drew. Conhecemos também Meredith, sua priminha de 7 anos, que se mostra muito madura para sua idade. Tessa, namorada de Leo, que acaba se tornando amiga fiel de Kae na diversidade e se mostra um porto seguro nesta luta pela sobrevivência. Gav, um dos sobreviventes, que se torna amigo e um algo mais de Kae. E Quentin, que acaba não lidando muito bem com as dificuldades. Enfim, entre tantos outros que não destaquei e são muito importantes.

Ao decorrer da trama conferimos a luta de Kae pela sobrevivência não somente dela mas de todos aqueles que ama. E em determinado ponto, vemos o quanto a vida é frágil e tudo pode mudar rapidamente. É triste ver como o vírus toma conta da ilha. É triste ver como os recursos e os meios se tornam escassos e difíceis. Como em determinado ponto não só o vírus é perigoso mas as pessoas também. Kae acaba se deparando com diversas questões sobre o que é certo e errado; o que realmente tem valor ou não. Tudo muda drasticamente e o que antes parecia ter importância de repente já não significa mais nada, num piscar de olhos.

Conforme avançava na leitura, me vi envolvida de tal forma que me despedacei junto à Kae e me desesperei com toda a situação da ilha. Com uma situação mais assustadora do que em um vírus que ataque e transforme todos em zumbis. Pois isto é real!
Nosso vírus é muito mias esperto do que aqueles que aparecem nos filmes de zumbi: não deixa as vítimas cambaleando por aí, babando e resmungando, de modo que qualquer um em sã consciência se afaste. Faz com que elas se aproximem das outras pessoas, para poder tossir e espirrar na cara delas. pág. 86
E também tenho que confessar que a autora me despedaçou com sua história. Pegou meu coração, apertou entre os dedos, jogou no chão e pisou em cima. Parece meio pesado e drástico falar assim, mas não consigo pensar em uma definição melhor de como me senti ao ler este livro. Ele é denso, fortecheio de emoções e tem uma carga triste que abala. Não há como evitar. Eu não sai ilesa!
[...] Pessoas cujas presenças permanecem nos porta-retratos das mesas de cabeceira, nos bilhetes deixados nas bancadas das cozinhas, nos brinquedos espalhados pelo chão das salas e nos pôsteres pendurados nas paredes dos quartos. Porém nenhuma delas vai voltar. pág. 185
Tiro meu chapéu para Megan Crewe e dou o braço a torcer. Além da bela edição, realmente gostei bastante de O Fim de Todos Nós, e aguardo ansiosa pela continuação. 

Comentários via Facebook

15 Comentários:

  1. não sabia que ia ter continuação dele :O
    apesar de ter ouvido falar muito nele na época do lançamento, está é somente a segunda resenha que vejo dele! parece ser totalmente assustador, e eu, medrosa que sou para esse tipo de coisa, não tenho coragem de ler não
    quando li a sinopse pela primeira vez e vi que o livro foi intitulado como ficção, também pensei ao contrario, e pelos mesmos motivos que vc :P

    ResponderExcluir
  2. Nossa, fiquei até com medo desse livro.
    Vou aguardar as resenhas dos próximos, mas quero ler quando a editora terminar de lançar todos.

    ResponderExcluir
  3. Eu também gosto de ler livro que acabam me surpreendendo. Acho que vou gostar desse livro.

    ResponderExcluir
  4. Ótima resenha Livy! Amei a história!

    ResponderExcluir
  5. Estou encantada com a sinopse e sua resenha. De cara é um dos lançamentos de maio que mais me chamou atenção, e espero me envolver com a leitura.
    bjos

    ResponderExcluir
  6. Nossa dá pra imaginar a situação desesperadora. É quase como esperar a morte. Concordo com você, pela o que eu tendi pela sua resenha acho que só é ficção mesmo a parte dos sintomas da doença. Deve ser um livro ótimo, fiquei muito curiosa pra ler e saber como termina a história.
    Ameeeeei a resenha, beijos :)

    ResponderExcluir
  7. Nossa dá pra imaginar a situação desesperadora. É quase como esperar a morte. Concordo com você, pela o que eu tendi pela sua resenha acho que só é ficção mesmo a parte dos sintomas da doença. Deve ser um livro ótimo, fiquei muito curiosa pra ler e saber como termina a história.
    Ameeeeei a resenha, beijos :)

    ResponderExcluir
  8. A forma como falou do livro me deixou intrigada, com medo, ansiosa e triste, tudo isso só de ler o que você escreveu. Certamente você me prendeu pelas suas palavras, vou correndo procurar este livro!

    ResponderExcluir
  9. Ooooouuuhhh!A gripe matando todo mundo. Eu sei que é terrível aqueles dias de cama com 6545454 graus de febre. Mas contando tudo que vc pensa (desde aquela professora chata até o vizinho fofoque você queria namorar) D++++++. Kkkkkk

    ResponderExcluir
  10. Eu gosto de livros assim, que fazem prender o folego e não querer desgrudar nem para comer.

    ResponderExcluir
  11. Nossa nossa, parece que a trama e bem envolvente mesmo heim! Eu não sabia que a doença levava a morte e tinha outros sintomas, achei que era mesmo só a falta de inibição social. É como você falou esse tipo de coisa já aconteceu antes e pode acontecer de novo, inclusive tenho muito medo *o*. Estou curiosa pelo livro, quero sentir todos esse sentimentos >.<

    ResponderExcluir
  12. Já disse como que amo suas resenhas? Você conta a história de um jeito que nos envolve com a história junto com você.

    Quando li pela primeira vez a sinopse já me deu vontade de ler esse livro. Não sabia que é uma serie, o que me desanima um pouco, pois estou evitando começar a ler series.
    Essa história desse de um vírus possa dissipar milhões de pessoas assusta bastante, mas é um fato que temos que encarar, pois faz todo sentido. Não que eu ache que o mundo pode ter um vírus assim igual descrito no livro ou em The Walking Dead, mas afinal, a peste negra realmente existiu e não é uma história de ficção igual essa.

    Enfim, estou com muita vontade de ler esse livro, pois ela parece ser muito bom.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por