[Resenha] Cartas de Amor aos Mortos, de Ava Dellaira

23 junho 2014
Postado por Livy

Cartas de Amor aos Mortos
Ava Dellaira
ISBN: 9788565765411
Tradutor: Alyne Azuma
Lançamento: 05 de Julho
Ano: 2014
Páginas: 344
Editora: Seguinte
Pontuação: ♥ ♥ ♥   
() Favoritado!
Tudo começa com uma tarefa para a escola: escrever uma carta para alguém que já morreu. Logo o caderno de Laurel está repleto de mensagens para Kurt Cobain, Janis Joplin, Amy Winehouse, Heath Ledger, Judy Garland, Elizabeth Bishop… apesar de ela jamais entregá-las à professora. Nessas cartas, ela analisa a história de cada uma dessas personalidades e tenta desvendar os mistérios que envolvem suas mortes. Ao mesmo tempo, conta sobre sua própria vida, como as amizades no novo colégio e seu primeiro amor: um garoto misterioso chamado Sky. Mas Laurel não pode escapar de seu passado. Só quando ela escrever a verdade sobre o que se passou com ela e com a irmã é que poderá aceitar o que aconteceu e perdoar May e a si mesma. E só quando enxergar a irmã como realmente era — encantadora e incrível, mas imperfeita como qualquer um — é que poderá seguir em frente e descobrir seu próprio caminho.

Querido leitor,

Eu ainda fico pensando em como escrever esta resenha e fazê-lo entender como o livro foi maravilhoso para mim. Eu já desconfiava que ia amá-lo, mas não tão intensamente. E ao terminar de ler Cartas de Amor aos Mortos, e ainda ao lembrar do livro, sinto meu coração inchando de felicidade e uma dorzinha tão conhecida de quando deixamos bons momentos para trás. Eu gostaria de poder revivê-los novamente, e sentir toda a emoção que senti ao ler o livro pela primeira vez.

Esta foi uma leitura muito intensa e verdadeira, que me tocou profundamente. Realmente não tenho palavras para descrever o quanto gostei do livro, e poderia simplificar dizendo: por favor, leiam. Mas vou tentar. Respira Livy, e escreve.

Laurel é uma garota doce e, em muitos aspectos, verdadeiramente inocente, que carrega grandes tristezas em seu mundo partido, entre suas lembranças de uma vida que já não existe mais. Ela perdeu a irmã May, que morreu a menos de um ano, e se sente perdida. Ela era sua luz, sua companheira, sua melhor amiga... sua inspiração. Era May que a protegia, que a incentivava. Laurel amava o modo como ela era linda, viva, destemida, e corajosa. Ela amava o modo como ela parecia estar acima de tudo e todos, o modo como ela amava a vida, como parecia ter asas e podia voar. Ainda ama. 

Laurel nunca pôde voar, e nunca se sentiu tão brilhante quanto a irmã. E de certa forma Laurel sempre viveu à sombra da irmã, sempre cautelosa, observando como a irmã era linda e tinha tanta sede de viver. Até que ela morreu. Laurel também tem que enfrentar a separação dos pais, e isso a despedaça ainda mais. Mas a pergunta que mais a atormenta é: por que sua irmã a deixou?

Laurel se muda de escola para evitar que qualquer pessoa que a conheça possa demonstrar sua piedade e compadecimento com a morte da irmã, assim podendo começar uma "nova vida". Mas não é bem assim. A garota se sente perdida, não tem amigos, e tem uma família desestruturada. Eu realmente fiquei com o coração aos pedaços logo no começo do livro.

É na aula de inglês que Laurel recebe uma tarefa: escrever uma carta para alguém que morreu. Logo a garota escolhe Kurt Cobain para escrever sua carta, pois a irmã o adorava, mas acaba sendo um desabafo tão intenso que ela não tem coragem de entregar a tarefa. E o que era uma lição acabou virando um verdadeiro diário em forma de cartas que escreve ao longo dos meses para diversas personalidades que morreram.

Então Laurel conhece Natalie e Hannah, duas garotas bonitas que sabem o que é ser diferente, e a aceitam apesar de seus segredos e seu jeito retraído. Ela também se apaixona por um rapaz enigmático chamado Sky.

Quando olho para Sky lembro que o ar não é apenas algo que existe, mas que se respira. Mesmo que esteja do outro lado do pátio, consigo ver o peito dele se movendo. Não sei porque, mas, neste lugar cheio de desconhecidos, fico feliz que Sky e eu estejamos respirando o mesmo ar. O mesmo ar que você respirou. O mesmo ar que May respirou.  Laurel, em sua primeira carta para Kurt.

Mas nunca, jamais, consegue em um minuto sequer, parar de pensar na partida da irmã.

Eu comecei a ler o livro e logo nas primeiras 50 páginas já estava o amando. O modo como Ava Dellaira escreve é tão bonito que não consegui parar de ler. Senti como se lesse poesia, e vi um livro pulsando em minhas mãos, cheio de vida. Não consegui não me emocionar. Não consegui não sentir. Eu até tentei, mas me vi apaixonada por sua escrita. Vi no decorrer de todo o livro Laurel abrindo seu coração, transcrevendo seus sentimentos, e soltando suas emoções para o papel de forma tão verdadeira e intensa que o livro ao seu todo é tocante, sensível e muito bonito.

O que achei muito bom é que Laurel escreve para a personalidade que mais se relaciona com o que ela está passando, sentindo ou recordando no momento. Em muitas cartas vemos suas confissões para Kurt Cobain, Judy Garland, River Phoenix, Amelia Earhart, Amy Winehouse entre outros. E um ponto importante é que não apenas desabafa, mas também nos mostra facetas e nuances de cada personalidade que talvez nem conheçamos. Eu gostei de que, enquanto ela escrevia o que sentia, também conversava com a personalidade, nos mostrando não apenas o lado artístico, mas o lado humano e real. Os sofrimentos, as dificuldades. Eu mesma não sabia nada sobre a infância de Judy Garland, por exemplo, mas agora entendo melhor cada uma das pessoas com quem ela "conversou" em suas cartas. Também me senti emocionada com a relação que cada um tem ou teve para os sentimentos de Laurel, e o que ela vive ou viveu.

Tem coisas que não posso contar para ninguém além das pessoas que já não estão mais aqui.

Um outro ponto forte do livro é que ele é muito "musical". Ao decorrer da história vi muitas músicas mencionadas, e eu escutei todas. Cada uma tem uma importância para alguns personagens, e uma ligação com momentos, lembranças ou sentimentos. Principalmente para Laurel. E foi muito gostoso ler e ir descobrindo novas músicas ou as relembrando, e ir as ouvindo enquanto lia.

Eu amei cada personagem. E ainda amo! Amo Sky (suspira) que é tão inseguro e sofrido quanto a própria Laurel. O caro imperfeito perfeito. Amo Hannah, com seus cabelos ruivos e sua vivacidade. Sinto vontade de protegê-la. Amo Natalie, para qual eu torço que consiga conquistar seu grande amor. Amo o pai de Laurel que não fugiu. Amo Tristan e Kristen, também amigos de Laurel, que formam um casal tão lindo, que em algum momento terão que tomar uma decisão. Amo cada um deles como se fossem meus amigos. E amo Laurel, a quem aprendi a admirar. A quem eu aprendi a entender. Amo seus sentimentos e sua intensidade. Amo cada um de seus defeitos.

E conforme vamos conhecendo melhor Laurel através de suas cartas, vemos o quanto ela vai mudando, crescendo, amadurecendo... e vai se libertando. Se libertando de seus medos, seus pensamentos, seu passado. Não somente Laurel, mas todos os personagens de alguma forma amadurecem, aprendem e se libertam de seus medos e problemas. Eu achei lindo o modo como toda a história foi crescendo, até um ponto em que explode como uma estrela surgindo entre uma vasta constelação.

- O universo é maior do que qualquer coisa que cabe na sua cabeça. - disse May para Laurel. Cada um de nós, cada personagem é um universo. Com seus segredos e pensamentos, dores e alegrias. Um universo, belo e desconhecido.

Esta relação de amor das irmãs me deixou comovida, pois Laurel amava (ama) tanto May que, sem nem perceber, queria ser como ela. Até que ela entende que precisa ser ela mesma. E que se quer que a conheçam, ela precisa mostrar quem é. O livro também aborda alguns temas polêmicos, e mostra que sempre a melhor alternativa é falar.

Gostaria que você me dissesse onde está e por que foi embora. Você era o músico favorito da minha irmã, May. Desde que ela morreu, tem sido difícil ser eu mesma, porque não sei exatamente quem eu sou. Laurel, em sua primeira carta para Kurt.

Cartas de Amor aos Mortos não é apenas mais um drama. É um livro que mostra todas as formas de amor, da forma mais pura e sincera. É um livro doído, intenso e verdadeiro, pelo qual me apaixonei. É um livro de sentimentos e descobertas. Se posso dizer algo, com toda certeza, é de que recomendo o livro, e gostaria que todos pudessem  ler.

Beijos,
Livy



Comentários via Facebook

16 Comentários:

  1. Uau, Livy, que resenha maravilhosa e inspiradora!
    Eu havia lido uma review desse livro num blog gringo e me apaixonei por ele, só não sabia se iriam lançar por aqui e se manteriam a capa, mas foi o que aconteceu e eu fiquei super feliz por isso.
    A sua resenha está linda e super musical!
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Oi Livy...não imaginava que esse livro fosse tão cheio de emoções assim...amo livros que nos envolvem tanto e que quando acaba ficamos sentindo um vazio imenso. Já li dois livros onde a protagonista perde a irmã e fica o livro todo se lamentando e lembrando da irmã e se perguntando o por que da irmã a ter abandonado, deve ser um tema bem aceito por isso os autores o exploram bastante. Achei interessante o lance das cartas e ainda mais por ser cartas para pessoas famosas que já morreram, pensei que ela pudesse escrever cartas para a irmã....bem depois dessa resenha show é claro que esse livro vai para a minha lista dos desejados.

    Beijos!!!
    @jannagranado
    http://livrospuradiversao.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá Livy, não sou de comentar nos seus post, mas esse tinha obrigação de lhe dizer, que somente pela leitura da sua resenha me apaixonei pelo livro. Ele será o próximo da lista.
    Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  4. Oi Livy :)
    Nossa que perfeito *--*
    Pela sua resenha consegui sentir o quanto esse é maravilhoso!
    Sempre achei a capa bem bonita, mas não imaginava que dentro dele haveria uma história assim tão profunda. estou louca pra ler. E você escreveu com tanta paixão...
    Nossa eu preciso desse livro.
    Beijos lindona!
    http://umacertajovem.com/

    ResponderExcluir
  5. Oi, Livy!
    Só de ler o título deste livro já fiquei arrepiada.
    Mas, para minha surpresa, ao ler a sua resenha fiquei foi emocionada.
    Que bela história!

    ResponderExcluir
  6. Oi Livy, nossa como deixar passar esse livro depois de uma resenha dessa? Com certeza vai pra lista dos desejados e espero poder ler em breve. Achei essa capa linda e quero gostar e me emocionar tanto quanto você ao fazer a leitura *.*

    http://nerdicesdeumagarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Livy, linda resenha.
    Li uma outra sobre esse livro, recentemente que falava o quanto era difícil opinar sobre ele, por ter uma história marcante, dramática e com momentos de profunda reflexão.
    Adoro livros emocionantes e que mexe tão profundamente com nosso sentimentos.

    Beijos
    http://mundo-de-papel1.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Que resenha é essa gente????
    Caramba!! Linda!!!
    É a primeira que leio deste livro e estou apaixonada!! Emocionada!! E morrendo de vontade de ler!!
    Adorei mesmo!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi Livy, esta é a segunda resenha que leio deste livro, que me chamou atenção pelo enredo dele. E este detalhe das músicas citadas é outra coisa que gostei de saber.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  10. Exemplo do que uma capa e um bom título fazem. Já queria ler e sua resenha só me animou mais. Bem legal, Livy.

    ResponderExcluir
  11. Caminho das estrelas.
    Se voce é leitor sabe que seu caminho com os livros começou no momento em que um deles te levou a algum lugar de onde você custou para querer sair. Meu primeiro livro me levou ao inferno com "Os tres fios de cabelo de ouro do diabo" e me mostrou que o inferno pode ser um lugar diferente do que se acredita. Depois se seguiram muitos outros que me levaram a caatinga com "Justino, o retirante" ou pelos céus com "a vaca voadora". Eu sei que fiz uma via lactea todinha indo aos diversos lugares onde os livros me levaram. Ultimamente, deixei de viajar pelas estrelas e comecei a viajar por dentro de mim mesmo, um lugar muito distante e amplo que eu jamais imaginaria que existe. Tenho a sorte de trabalhar com os paginosos que adoro, organizando bibliotecas particulares. O que gosto de observar nas bibliotecas que organizo é o possivel caminho que o proprietario percorreu até que sua biblioteca chegasse ao que é hoje. Se você precisar de alguém para te fazer reencontrar seus amigos paginosos que não encontra ha muito tempo, eu sou o mago que pode ao menos te indicar o caminho por entre as suas proprias estantes. Deus abençoe a todos. Namastê - Rudi Santos - bibliotecario e otimista, ambos por escolha!

    ResponderExcluir
  12. Olá, parabéns pela resenha, está muito boa, fazendo com q eu me interesse ainda mais em ler esse livro,no qual já comecei. Tal livro parece ser muito bom e gostaria q vc fosse ao meu blog quando eu fizer a resenha, vc poderia me dar essa força?

    No mais, boas leituras, abraços e um ótimo 2015!

    http://blog-imaginacaodeumaleitora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Moça a senhorita escreve ridiculamente bem amei a resenha incrivel .

    ResponderExcluir
  14. Esse livro é incrivelment inspirador!
    Parabéns pela sua resenha, transpôs justamente o que livro transmite ao leitor!
    Saiu resenha dele agorinha no Palavras Radioativas, se interessar-se, dê uma passadinha lá!
    xoxo,
    até a próxima!
    www.palavrasradioativas.com

    ResponderExcluir
  15. Esse livro é maravilhoso, sério, aprendi tanto com ela, com a determinação que teve de ir até o final, de ter tirado tantas coisas ruins de si que cara... Sério, me vi muito nessa personagem. Otima resenha *-* Muito do que você disse ai me fez concordar, adoro isso! <3

    Parabens!

    Bjs, Beatrice.
    https://ruivaliteraria.blogspot.com <3

    ResponderExcluir
  16. Amo o blog, sempre que vou começar um livro procuro a resenha aqui, todas são ótimas e muito bem escritas.
    Parabéns! :)

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por