[Resenha] O Rei Demônio, de Cinda Williams Chima

18 dezembro 2014
Postado por Livy

Livro cedido pela editora
ISBN: 978-85-8105-221-2
Série: Os Sete Reinos
Tradução: Ana Resende 
Ano: 2014
Páginas:  384
Editora: Suma de Letras
Classificação:  ♥♥♥♥
Os tempos são difíceis na cidade de Fellsmarch, nas montanhas. O jovem Han Alister é capaz de quase qualquer coisa para garantir o sustento da mãe e da irmã, Mari. Ironicamente, a única coisa valiosa que ele possui não pode ser vendida: largos braceletes de prata, marcados com runas, adornam seus pulsos desde que nasceu. São claramente enfeitiçados — cresceram conforme ele crescia, e o rapaz nunca conseguiu tirá-los. Certo dia, depois de uma discussão, Han toma um amuleto de Micah Bayar, filho do Grão Mago, para evitar que o rapaz o usasse contra ele. Han logo descobre que o amuleto tem uma história maldita — ele pertenceu um dia ao Rei Demônio, o mago que quase destruiu o mundo, mil anos antes. Com um artefato mágico tão poderoso em jogo, Han sabe que os Bayar farão de tudo para recuperá-lo. Enquanto isso, Raisa ana’Marianna, princesa herdeira do Reino de Fells, enfrenta suas próprias batalhas. Ela acaba de retornar à corte depois de três anos de relativa liberdade com a família do pai no Campo Demonai. Raisa poderá se casar ao completar 16 anos, mas ela não está muito interessada em trocar sua liberdade por aulas de etiqueta e bailes esnobes. Almeja ser mais que um enfeite, aspira ser como Hanalea, a lendária rainha guerreira que matou o Rei Demônio e salvou o mundo. Mas parece que sua mãe tem outros planos para ela — planos que incluem um pretendente que renega tudo que o reino representa.

A primeira série escrita por Cinda Williams Chima, O Herdeiro, lançada originalmente em 2006, já rendeu cinco livros. Sua segunda série de fantasia, lançada em 2009, e agora em 2014 pela Suma de Letras, já rendeu quatro livros. O primeiro livro dessa série Os Sete Reinos, é O Rei Demônio, seguido por A Rainha Exilada; O Trono do Lobo Gris e The Crimson Crown (ainda sem título em português). E todos os livros estão com boas críticas.

O Rei Demônio é o primeiro livro que leio da autora. Pois apesar dos livros da primeira série já terem sido editados no Brasil, eu ainda não tive oportunidade de lê-los. Por isso, não poderei fazer um comparativo entre essa nova série e aquela, mas gostei deste meu primeiro contato. O Rei Demônio me agradou bastante, porém como romance histórico medieval. Durante a leitura não encontrei nele tantos elementos que remetem ao gênero fantasia, exceto as menções a feiticeiros, magos e clãs. O primeiro livro de Os Sete Reinos carece dos elementos comuns que fazem de um livro de fantasia o que ele é, e senti falta. Como dragões, duendes, gnomos, elfos, trolls, globims, fadas, unicórnios, entre outros seres míticos e fantásticos, comuns nos livros ao estilo. Claro, não necessariamente um livro de fantasia precisa possuir todos estes elementos, mas é praticamente impossível não esperar encontrá-los. Aliás, os melhores livros que li do gênero possuíam muitos destes.



Portanto, se você pretende ler O Rei Demônio esperando encontrar seres fantásticos e aventuras por terras estranhas e obscuras, com personagens iconográficos à procura de artefatos mágicos, sinto muito. Claro, eu ainda não posso dizer se esses elementos que mencionei, e dos quais senti falta no primeiro livro da série, vão aparecer nos livros seguintes (Se alguém souber, por gentileza, pode postar nos comentários, adoraria saber!).

Aí você me pergunta: Então isso quer dizer que o livro é ruim? E eu respondo: Não! Se fosse, eu não teria dito que gostei do livro e não teria dado quatro estrelas para ele. O Rei Demônmio, como disse, é um ótimo romance medieval. A narrativa de Cinda me agradou muito, pois ela escreve muitíssimo bem. É uma boa contadora de histórias. Me agradou bastante as suas descrições dos personagens e das localidades, bem como dos fatos históricos que deram origem à época atual em que se passa a trama do livro. A ambientação de época é agradável, assim como os diálogos inteligentes e a boa caracterização dos personagens. Também me agradou muito as intrigas palacianas e o esquema de dividir a narrativa entre os acontecimentos que giram ao redor de Han Alister e os que envolvem a princesa Raisa, que ao longo da trama vão se mesclando gradativa e dramaticamente.

Outro ponto interessante no livro é a história sobre Hanaela e os magos, de mil anos atrás. De como surgiu a Cisão que proibiu a presença de magos e o uso da magia, ou feitiçaria, e o reino se dividiu em sete nações, com suas próprias línguas, culturas e religiões. E isso também gerou os Clãs e a Linhagem das Rainhas e seus protetores. E quanto a isso tudo, a criatividade da autora é admirável.

Quanto aos personagens, há uma legião deles desfilando pelos variados cenários. Han Alister, ou Caçador Solitário, representa a classe social menos favorecida de Fells, os Trapilhos e os Clãs. Já Raisa, a princesa do reino, filha da rainha Mariana, representa a sociedade abastada, a realeza, os Magos e as linhagens ancestrais. Ao redor desses dois personagens gravita uma gama enorme de outros, como Dançarino de Fogo, Sabiá, Willo, Elena, Reid Demonai, Averill, o ancião Lucius, Algemas, Gavan Bayar, Micah, Gillen, Amon, Byrne, entre muitos outros.

O nome das localidades também são legais e variados, como: Fellsmarch, Lady Gris, Campos Pinhos Marisa, Campo Demonai, Platô Alyssa, etc. O livro traz um mapa bem ilustrativo logo nas primeiras páginas, possibilitando uma fácil ambientação. Só faltou um glossário e uma linha do tempo, para melhor ilustrar a evolução e ascensão da linhagem das rainhas e dos magos, desde a Cisão, para ficar melhor ainda.

Nesse primeiro volume da saga, a ação e o mistério ficam por conta de Han, e as intrigas e política por conta de Raisa. Não há muitos momentos memoráveis, ou empolgantes, e nenhuma aventura exuberante, mas há crimes, politicagem, complôs e traições, intriga palaciana e a ameaça do retorno de um mal antigo e traiçoeiro: o Rei Demônio. Em suma, este livro caminha muito bem e apresenta uma história agradável que nos faz lembrar os bons e velhos contos de fadas, pois O Rei Demônio também tem romance, drama e tragédia. Da minha parte, gostei. Recomendo o livro. 

Comentários via Facebook

2 Comentários:

  1. Hey Livy, tudo bem?

    Só digo uma coisa: essa autora é fo#$! Já li a primeira trilogia dela, O Herdeiro, e me apaixonei logo de cara. Vi que a editora Farol está para continuar a publicar a segunda parte da "trilogia" e o livro parece que se chamará O Herdeiro Assassino. Estou com vontade de ler O Rei Demônio desde que o vi na Leitura, mas sempre acabo comprando outro livro no lugar HAHAHAHA. Espero consegui lê-lo em breve.

    PS: Estava lendo seu post sobre Caminhos da Floresta e lembrei de uma frase que vi na série Modern Family: "Maryl Streep poderia interpretar o Batman e ainda seria a escolha certa de atriz" HAHAHAHAHAHA

    Abraços,
    Matheus Braga
    Vida de Leitor - http://vidadeleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha Livy. Parece ser um livro de fantasia bem interessante, apesar de não ter chamado muito a minha atenção. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por