[Resenha] O Primeiro Telefonema do Céu, de Mitch Albom

18 março 2015
Postado por Livy

Livro cedido pela editora para resenha
ISBN: 9788580413496
Tradução: Flávia Rossler
Ano: 2014
Páginas: 288
Editora: Arqueiro
Classificação: ♥♥♥
Como você se sentiria se um dia recebesse uma ligação de alguém que ama muito e que já se foi? Numa sexta-feira comum, o telefone de Tess Rafferty toca. É sua mãe, Ruth, que morreu quatro anos antes. Em seguida, Jack Sellers e Katherine Yellin recebem ligações semelhantes, do filho e da irmã, também já falecidos. Nas semanas seguintes, outros habitantes de Coldwater afirmam que estão em contato direto com o além, e que seus interlocutores lhes pediram para espalhar a boa-nova ao maior número possível de pessoas. A mensagem é simples: o céu existe, e é um lugar onde todos são iguais. Em pouco tempo, correspondentes de diversos meios de comunicação aportam na cidade para transmitir os desdobramentos do fenômeno que pode ser o maior milagre da atualidade. Visitantes do país inteiro começam a surgir, as vendas de telefone disparam e as igrejas se enchem de fiéis. Apenas uma pessoa desconfia da história: Sully Harding, ex-piloto das Forças Armadas. Após quase morrer num desastre aéreo, perder a mulher e cumprir pena por um crime que não cometeu, ele não acredita num mundo melhor, muito menos após a morte. E quando seu filho pequeno começa a esperar uma ligação da mãe morta, ele decide provar que estão todos sendo enganados. O primeiro telefonema do céu é uma história de mistério e, ao mesmo tempo, uma reflexão sobre o poder da conexão humana. Em uma narrativa que vai tocar sua alma, Mitch Albom prova mais uma vez por que é um dos autores mais queridos da atualidade. 

O que fazemos com a saudade e a falta que nos faz aqueles que partiram desta vida? O que faríamos para mais uma vez podermos ouvir suas vozes e talvez sentir seu consolo para nossa dor? Importaria nossas crenças e convicções? Bem, O Primeiro Telefonema do Céu lhe fará se perguntar isto e muito mais. A verdade é que nós não somos donos de nenhuma verdade definitiva, algumas coisas sempre estarão em constante mudança e terão aqueles que afirmarão que sua verdade é uma grande mentira ou ao menos um pequeno engano. A verdade, pelo menos para mim, é que a maioria de nós queremos acreditar, não importando por qual caminho segue sua crença ou sua fé, que há muito mais, que há vida além desta vida, que simplesmente nossa vida tem muito mais significado.

A trama deste livro, contada em primeira e terceira pessoa, e capítulos contabilizando as semanas, se inicia numa manhã comum de sexta-feira na cidade de Coldwater, quando a jovem Tess recebe uma ligação de alguém que ela não esperava mais ouvir nesta vida: sua mãe Ruth, falecida há 4 anos. Depois o mesmo acontece com outras pessoas, em lugares diferentes da cidade, entre elas: o xerife, Jack Sellers, que estarrecido ouve pelo telefone a voz de seu filho, Robbie, morto em combate; também Katherine Yellin, que maravilhada atende um telefonema milagroso de sua irmã, Diane, que faleceu devido a um aneurisma, e que sempre lhe pareceu ter levado com ela metade da irmã que ficou, por participar ativamente e ser uma fervorosa fiel da Igreja Batista Colheita da Esperança, é ali, apesar da cautela de seu velho pastor Warren, que a mulher sem poder se conter e a pedido da irmã, começa por espalhar a boa nova, o milagre da esperança que tomou sua vida, fato que ela pensa estar acontecendo apenas com ela: "a escolhida por Deus".

Também foi naqueles dias que o ex-piloto, Sully Harding, recém-saído da prisão das Forças Armadas, onde passou 10 meses por um crime do qual não foi responsável, tempo em que veio a perder sua jovem esposa, Gisele. Com seu filho de 6 anos - inconsolável com a morte da mãe - para criar, volta para morar em sua cidade natal, onde pode contar com a ajuda de seus pais, já que com tudo o que aconteceu nos últimos meses, perdeu todos os seus bens, assim como no momento não tem meios financeiros de se manter. E aí estão alguns dos principais personagens que dão vida a este drama com toques de mistério. Será tudo verdade? Ou uma cruel mentira?

O que ocorre é que enquanto alguns dos "escolhidos" se omitem em comentar suas bençãos, Katherine não sofre do mesmo problema e não se cansa de levar ao conhecimento de quantas pessoas puder o que lhe acontece, toda sexta-feira. É assim que o acontecido acaba saindo das fronteiras da pequena cidade, quando a repórter Amy Penn, é mandada para verificar a veracidade da notícia e é ela que, mesmo sem achar o furo tão importante assim, com sua reportagem veiculada principalmente pela internet, acaba sendo a responsável pela incrível propagação do fenômeno, que se espalha pelo país rapidamente, causando comoção e peregrinação de centenas de pessoas para Coldwater, todos querendo um pouco desta benção. A cidade é tomada pelo furor religioso de muitos, quando as igrejas, não importando seu seguimento espiritual, se veem lotadas por fieis que antes nem haviam pisado ali.

A população aumenta de forma excepcional e desordeira, a venda de telefones sobe para a estratosfera, as ruas ficam sem condições de transitar, e no meio disso tudo temos Sully, que se vê perturbado e furioso com tudo o que está acontecendo em sua cidade, considerando tudo aquilo um absurdo e as pessoas responsáveis, verdadeiros criminosos. Para piorar e aumentar sua revolta, seu filho se encontra esperando ansioso por um telefonema de sua mãe, e começa a andar com um telefone de brinquedo, com sua fé infantil e inocente de que tudo é possível já que outros conseguiram tal milagre. Com este último fato, Sully resolve que vai desmascarar toda esta farsa e crueldade, levando assim à luz da razão, a verdade que ele pensa que ninguém quer ver. Então, entre manifestações contra ou a favor do além, a história se desenrola num clima de muita emoção e mistério. 

É o medo que nos faz perder a vida... um pouco de cada vez... O que damos ao medo, retiramos... da fé.

Bem, muitos de nós, em algum momento de nossas vidas, sentimos medo - seja por qual motivo for -, o sentimos e temos que lutar para vencê-lo. E a verdade é que nem sempre somos vitoriosos, pois no mundo em que vivemos, há muito o que se temer, e às vezes pouco a que confiar nossa coragem.

A trama de Mitch Albom é bem estruturada. Sua forma de escrever é muito agradável, verdadeira e tocante, e me fez refletir muito. Mostra o pior e o melhor do ser humano. Com sua narrativa e o modo como conduz a história, deixa a você a decisão do que quer ver, e principalmente te leva a ver além do pano que recobre todas as verdades e mentiras. Vemos o que aos olhos dos personagens não é possível ver, pois cada qual se encontra com seu próprio drama pessoal e sabemos que é quando menos enxergamos do que ocorre ao nosso redor - quando nos trancamos em nós mesmos e nada vemos além da dor ou da descrença. Vemos as verdadeiras bençãos que eles não se dão conta, mas acontece tantas e são maravilhosas em sua simplicidade, pureza e importância, que toca a gente. Realmente o ser humano pede por milagres e soluções, mas na maioria das vezes não consegue ver que muitas vezes elas chegam de formas diferentes das quais esperam, talvez não tão visíveis, mas não menos importantes.

Os personagens criados por Mitch são interessantes e muito humanos, em seus defeitos e acertos. Apreciei todos por suas singularidades e participação no desenrolar da trama. Mitch conseguiu criar personagens tão reais e verdadeiros que é impossível não se envolver com a história e todos os acontecimentos. Se tivesse que escolher uma, aquela personagem que mais me cativou, seria uma que participa nem tanto assim, mas que me simpatizei muito: Liz, a jovem bibliotecária, que acaba ajudando Sully em suas pesquisas. Ah! Uma coisa bem interessante no livro é que o autor menciona fatos sobre Alexander Bell - o inventor do telefone - interligando eles à trama. 

Posso dizer que apreciei muito a leitura de O Primeiro Telefonema do Céu, que tem uma boa trama e um bom mistério, que tem bons personagens, que mostra o lado bom e ruim do ser humano, que toca e sensibiliza de uma forma agradável. Também gostei da forma como Mitch conduziu sua história, e do final, que mostra algumas conexões entre as histórias dos personagens, assim como mostra que todos de uma forma ou de outra conseguem não somente o que queriam, mas o que realmente precisavam.

Comentários via Facebook

7 Comentários:

  1. Oiiiii, acredita que é a primeira resenha que eu vejo desse livro? kkkkk
    eu sabia mais ou menos o que o livro tras mas agora com sua resenha fiquei com mais curiosidade do que antes, kkk, amiei essa capa, e o titulo foi que me pegou, k

    Dá Uma Passadinha Por lá: http://ospapa-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu me interessei por esse livro desde que lançou. O assunto é muito interessante e estou muito curiosa com o desfecho da história. Assim que der vou ler ele.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Oi, Livy!

    A história dever ser linda e tocante. Se fiquei encantada apenas lendo sua resenha, imagine o livro em si! A premissa é diferente e bem instigante, foi o que mais chamou minha atenção.
    Espero ler em breve! Ótima dica. :)

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Já tinha lido outra resenha desse livro, mas não lembro de ter tido taaaanta vontade de ler, apesar da premissa muito boa. Mas sabe? Agora to realmente com vontade, por se tratar do medo e do melhor e o pior do ser humano, gosto dessas extremidades.

    Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  5. olá tudo bem? meu nome é Nathalia, e acabei de criar um blog estilo o seu, também quero falar sobre resenha de livros. você me daria alguma dica de como promover meu blog para ser mais visto sem ser chata e ficar incomodando as pessoas com comentários chatos? obrigada! estou começando agora e não tenho nem ideia :/

    ResponderExcluir
  6. Estava bisbilhotando pela página da Arqueiro quando vi o post sobre o livro, e logo de início a capa e a descrição me chamaram a atenção. Esta é a primeira resenha que leio sobre o livro, e a vontade de adquiri-lo só cresceu. Parabéns pela resenha!

    Abraços! Datilografando

    ResponderExcluir
  7. Oi Livy

    Já tinha lido uma outra resenha sobre esse livro, o elogiando bastante. A premissa dele é bastante interessante e eu realmente fiquei curiosa para saber como as coisas se desenrolam, principalmente entender de onde vem e como são feitas essas ligações. São realmente do céu? Acho que esse foi o ponto que mais me chamou a atenção, o mistério da história.

    Beijos
    Mundo de Papel

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por