[Resenha] O Que o Amor Esconde, de Dorothy Koomson

17 maio 2015
Postado por Livy

Livro cedido pela editora para resenha
ISBN: 9788539507856
Ano: 2015
Páginas: 400
Editora: Fundamento
Classificação: ♥♥♥ 
Nem sempre os fantasmas do passado permanecem onde deveriam... Libby Rabvena tem uma vida confortável ao lado de Jack, seu amável marido. Mas ele parece ainda não ter superado a perda de Eve, sua primeira mulher, que morreu de forma trágica e misteriosa na mesma casa em que eles vivem agora. Depois de sofrerem um horrível acidente de carro, do qual Jack sai praticamente ileso e Libby se fere gravemente, ela encontra os diários de Eve escondidos em sua casa. DispOosta a procurar pistas sobre Jack e conhecer melhor a mulher que ele amava, Libby decide lê-los e descobre que alguns segredos são difíceis de suportar... e que a morte de Eve pode não ter sido acidental. Com os terríveis segredos do passado prestes a vir à tona, Libby começa a temer por sua vida. Principalmente quando o suspeito do crime pode estar sentado no sofá da sala, bem ao seu lado...

O Que o Amor Esconde, da autora inglesa Dorothy Koomson, é meu primeiro contato com a autora. Graduada em Psicologia e Jornalismo, e tendo escrito seu primeiro livro aos 13 anos de idade, Dorothy mostra em sua história tudo o que anos de experiência lhe proporcionaram na escrita, e em sua trama aborda de forma magnífica drama e suspense psicológico. Se não me engano já houve algum livro dela publicado aqui, mas é através da Editora Fundamento que finalmente conheci o talento de Dorothy Koomson, e faria muito gosto de que mais livros da autora fossem publicados por aqui.

Quando comecei a leitura de O Que o Amor Esconde confesso que imaginava algo totalmente diferente do que encontrei. De início não consegui me conectar com a história, não senti muita empatia por Jack e não consegui me envolver com seu relacionamento com Libby ou com o ritmo da narrativa. Mas, de repente, me vi envolvida com o livro de uma forma que não conseguia largá-lo nem mesmo para ir ao banheiro, e vou explicar o motivo.

Libby sempre foi uma mulher determinada, forte e independente, Mas quando sofre um acidente de carro junto com seu marido, Jack, sua vida começa a se transformar. É em meio às ferragens do carro, enquanto é resgatada, que Libby começa a recordar sua vida com o marido, desde o primeiro encontro, até o momento do acidente. Ela se lembra da primeira vez em que o viu, de sua insistência para conhecê-la e saírem juntos, do primeiro encontro, dos momentos felizes de namoro. Não muito tempo depois estão casados e felizes, não fosse por uma sombra que sempre parece estar atrás dos olhos de Jack, e que parece ainda dominar seu coração: Eve, sua ex-esposa. O pior é que Eve morreu caindo das escadas da casa onde hoje Libby mora com Jack, em circunstâncias muito estranhas. Libby jamais duvidou da inocência de Jack, mas é inegável que ele se sente desconfortável falando da ex-esposa, e ainda a ama muito. Quem era Eve? Por que ele se sentia tão desconfortável com suas lembranças? O que aconteceu de verdade no fatídico dia em que morreu? Por que Jack não consegue falar sobre ela? São muitas perguntas com as quais Libby tem que conviver.

Mas, depois do acidente que sofreu, mesmo sabendo da sorte que tem ao estar viva, ela se sente ainda pior. De forte, determinada e independente ela se vê abalada, com auto-estima baixa, sofrendo com a recuperação. Sente medo de chegar perto de um carro e até mesmo de sair de casa. Agora depende muito mais do marido do que gostaria, e se sente acuada por tantos conflitos que está passando. Se olha no espelho e se sente horrorizada com as consequências do acidente, cicatrizes que marcam seu rosto e seu couro cabeludo, hematomas por todo o corpo. Ela sabe que existe a Libby antes do acidente e a Libby pós acidente. Ela ainda é a mesma pessoa, mas não se sente a mesma. E o pior, ela se sente enfraquecida pelas tantas dúvidas, enfraquecida pelas lembranças de uma mulher que nem ao menos conheceu. E sabe que seu marido esconde algo dela, algo que aconteceu após o acidente, mas que ela não consegue se lembrar. É quando ela encontra os diários de Eve que começa a ter as respostas que tanto ansiava, mas descobre também que mesmo a verdade sendo libertadora, pode trazer muita dor e perigo.

Com a história sendo narrada em primeira pessoa por Libby e Jack, e através dos diários por Eve, conseguimos entender melhor o que se passa na cabeça de cada um deles. Eu adorei este estilo narrativo que a autora escolheu, alternando os pontos de visão e nos proporcionando um entendimento mais amplo de tudo o que estava acontecendo, assim como adentrarmos no psicológico e emocional de cada um deles. Cada uma com sua história, sonhos, medos, anseios e defeitos. Seus personagens são muito reais e verossímeis, cada uma com suas características fortes e marcantes.

Mas confesso que foi só quando Eve entrou realmente em cena que me vi grudada ao livro não conseguindo o largar nem para respirar. Eve com certeza acrescentou mais emoção e ritmo à história e é, sem dúvida, a personagem mais carismática e cheia de vida deste livro. Até que Libby começasse a ler seus diários senti a leitura se arrastando um pouco, não conseguia entender os motivos por Jack ser tão obcecado pelas suas lembranças e não consegui me simpatizar muito com ele, o achando um pouco obsessivo com a memória da ex-mulher e seu atual relacionamento. Também não conseguia entender porque Jack estaria com uma mulher se ainda amava tanto sua esposa falecida, e de certa forma entendia a curiosidade e ciúme de Libby à cerca de tudo o que se relacionava à Eve.

Mas foi somente quando, através dos diários, comecei a conhecer sua história junto com Libby, é que consegui entender tudo e todos. Eve é uma personagem tão importante que liga, inevitavelmente, e mesmo morta, todos os personagens e seus sentimentos. Eve é tão importante que ainda tem um papel fundamental na vida de Libby e é detentora de redenção e libertação, respostas e descobertas. Uma jovem que saiu de casa aos 16 anos de idade, e que desde então sofreu muito para conquistar seu lugar ao mundo. E que estava só e desamparada diante das dificuldades para as quais ela nem imaginava que teria que enfrentar. Me senti tão envolvida por sua história, por sua vida, por seu caráter, seus sonhos e decepções, felicidades fugazes e tristezas angustiantes, que ela se tornou tão real para mim quanto creio que se tornou real e importante para Libby. Não consegui julgá-la por nenhum caminho que ela seguiu, pelo contrário, me vi emocionada e totalmente triste, e desejando de todo coração que ela tivesse tido uma trajetória e um final diferente. Eve é uma personagem tão importante para a trama, para Libby e Jack, que sua morte deu fim a sua vida, mas não deu fim à sua história e à sua presença. Ela traz muitas respostas e descobertas importantes, assim como traz verdades sobre a própria Libby e Jack que ambos precisavam para seguir em frente.

Dorothy Koomson soube muito bem como arquitetar sua trama e como conduzí-la. Sua história é rica em detalhes e tem personagens que vão nos conquistando justamente por serem imperfeitos e terem muitos medos e angústias. Ela conseguiu conduzí-la com um suspense psicológico sobre a morte e vida de Eve de uma forma muito envolvente; e um drama que incomoda, emociona, cativa e choca. Comecei o livro torcendo o nariz, sentindo que chegaria ao final da trama lendo um livro mediano e o esqueceria facilmente, mas em muitos aspectos me enganei.

Mesmo que a leitura tenha se arrastado no início, em determinado ponto fluiu de uma forma tão intensa que a única coisa que eu conseguia era ler mais e mais, e não consegui me desconectar da história. Este é um livro forte e tem uma carga emocional bem densa, é envolvente sim e me prendeu até a última página. Me vi às voltas com o mistério da morte de Eve e os segredos de Jack, e confesso que me surpreendi muito ao longo do livro, pois se mostrou muito mais complexo e cheio de surpresas, do que imaginei a principio, e trouxe rumos que jamais imaginei que a história seguiria.

O Que o Amor Esconde mexeu comigo muito mais do que esperava, e me despertou muitas emoções: raiva, angústia, medo, curiosidade, revolta, repulsa, tristeza, compaixão. Terminei-o com o coração pesado de tristeza mas ao mesmo tempo cheio de ternura e esperança. Suas últimas páginas aqueceram meu coração e ainda trouxeram perdão, redenção, libertação e um final digno para todos os personagens - sendo este final bom ou ruim, ou até mesmo merecido. Este é um ótimo livro de suspense psicológico e traz muitas emoções a cada virada de página. 

Comentários via Facebook

2 Comentários:

  1. Olá! Adorei o blog e as postagens! Ótimas dicas de livros =)
    http://cafecomliivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Livy! Eu me senti da mesma forma, no começo não fui cativada, a relação Libby/Jack não me conquistou e eu não gostei nem um pouquinho dele, a forma como agiu chegou a me deixar assustada, mas com a entrada de Eve tudo mudou, que personagem maravilhosa e intensa, virei a noite lendo este livro, precisava de respostas para tantas perguntas. Adoraria ler outras obras da autora.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por