[Resenha] O Sangue do Cordeiro, de Sam Cabot

08 junho 2015
Postado por Livy

Livro cedido pela editora para resenha
ISBN: 978-85-8041-389-2
Tradução: Cláudio Carina
Ano: 2015
Páginas: 368
Editora: Arqueiro
Classificação: ♥♥♥ 
"Este documento, querida amiga, vai abalar a Igreja". Ao ler essas palavras em uma carta encontrada em um arquivo empoeirado, Thomas Kelly fica cético. O documento citado na correspondência está desaparecido, mas Thomas, padre da ordem dos jesuítas, duvida que exista algo com tal poder – até ser convocado ao Vaticano para iniciar uma busca desesperada por ele. Enquanto isso, diante de um conselho formado por seus superiores, Livia Pietro recebe instruções claras: encontrar um padre jesuíta recém-chegado a Roma e juntar-se a ele na procura da Concordata, um tratado que contém um segredo tão chocante que poderá destruir para sempre todo o povo de Livia. Enquanto pistas cifradas do passado lançam os dois em um universo traiçoeiro repleto de obras de arte, maquinações religiosas e conspirações, eles são caçados por pessoas capazes de tudo para achar o documento primeiro. Thomas e Livia, então, precisam correr para montar o quebra-cabeça capaz de redefinir os rumos da história e evitar o caos e a destruição que a revelação da Concordata poderá causar. Livia, porém, tem um segredo: ela e seu povo são vampiros. Com uma narrativa que remete ao estilo de Dan Brown e ao terror sobrenatural de Anne Rice, O sangue do cordeiro é uma viagem inesquecível a um passado inimaginável.

Sam Cabot é o pseudônimo de Carlos Dews, professor do Departamento de Língua e Literatura na Universidade de John Cabot, em Roma; e S.J. Rozan, autora de vários romances de contos policiais, ganhadora de prêmios internacionais como o cobiçado Edgar Allan Poe.

O Sangue do Cordeiro é o primeiro livro da série A Novel of Secrets, seguido por Skin of Wolf, o segundo volume com o padre Thomas Kelly e a historiadora Lívia Pietro. O segundo volume da série, conforme as pontuações de votos dos leitores no Goodheades.com, teve uma melhor aceitação de público ao atingir 4 estrelas como pontuação máxima contra 3 estrelas desse primeiro volume. O que denota que Sam Cabot refinou melhor a sua escrita e a elevou a um novo patamar, apresentando uma história com novos personagens, novas localidades, mistérios mais envolventes e licantropia.

Em O Sangue do Cordeiro, o grande mérito de Sam Cabot foi introduzir elementos sobrenaturais numa trama que se escora no estilo Dan Brown de conspirações envolvendo a Igreja Católica e seus segredos ocultos à sete chaves nos porões da Biblioteca do Vaticano. A introdução dos "noantris" - os outros – como uma sociedade paralela convivendo secretamente com os "inalterados", ou gli altri – nós mortais, foi uma adição muito bem-vinda. E quanto ao terror, ou ao sobrenatural melhor dizendo, apesar de algumas poucas semelhanças, Sam Cabot só conseguiu arranhar a superfície do terror gótico e asfixiante criado por Anne Rice.

O demérito do autor, se assim posso dizer, foi ter-se apegado as pegadas tortuosas do "estilo Dan Brown". Quem sabe se tivesse se dedicado a criar um thriller original focado exclusivamente no terror, mais ao estilo Anne Rice, deixando a onipresente Igreja de lado, Sam Cabot teria sido melhor sucedido. Provavelmente em Skin of Wolf, ainda inédito no Brasil, nós tenhamos uma inovação mais profunda e de forma mais conclusiva que nesse primeiro livro da série que ficou um tanto a desejar.

Apesar disso, O Sangue do Cordeiro é um bom livro, com bons personagens e uma trama interessante envolvendo um misterioso documento chamado Concordata, o qual foi roubado dos porões da Biblioteca do Vaticano por um poeta da Era Vitoriana chamado Mario Damiani. Esse documento, altamente secreto e de conhecimento de uma elite muito privilegiada dentro do Vaticano, foi escondido em um lugar igualmente secreto pelo próprio poeta que, para dificultar a sua localização, espalhou uma série de poemas que versam sobre as igrejas de Roma. Essas pistas, por assim dizer, quando lidas arremetem a novos poemas em escondido em cada igreja e, quando decifrados corretamente, formam uma charada que conduz o pesquisador ao Concordata. Mas se procurar essas pistas parece complicado, imagine ter a Igreja e a sociedade dos noantris bufando no seu cangote. E é justamente por isso que passa o padre e historiador Thomas Kelly quando recebe de seu superior a incumbência de encontrar o dito documento roubado.

Thomas Kelly luta com forças muito mais antagônicas quando sua fé, suas crenças sacerdotais e pessoais, são postas à prova. De repente, envolvido numa caçada misteriosa por um documento misterioso, tendo a noantris Lívia Pietro como aliada, ele se vê balança numa corda entre a insanidade mental e os horrores que a Concordata pode suscitar se cair em mãos erradas.

Dentro desse enfoque, a narrativa de Sam Cobat é concisa, bem detalhada, com boa historicidade. Se perde um pouco na tentativa de criar um thriller de conspiração e não de sustentar um mistério sobrenatural. Pois, apesar do contexto sobrenatural que os noantris evocam, não há no livro nenhum feito sobrenatural extraordinário que empolgue. No fim, a narrativa pende mais para Don Brawn e suas especulações sobre os mistérios ocultos da Igreja do que pelo terror sobrenatural forjado com tinta gótica de Anne Rice.

Thomas Kelly e Lívia Pietro correm de um lado para o outro, de igreja em igreja, coletando poemas, e tudo parece mais do mesmo, sem nenhuma originalidade, sem nada de inovador. O livro também carece de um vilão impactante, que por muitas vezes roube a cena dos protagonistas. Os que se propõem ao cargo não fazem jus ao título, e em dado momento eu achei que seriam os noantris que fariam essa grande diferença.

O Sangue do Cordeiro não me encantou. Não é um livro ruim, mas ficou bem abaixo das minhas expectativas. Não é o primeiro livro seriado que leio em que os autores se esforçam no primeiro volume mas só acertam para valer no segundo. A meu ver, o mesmo se dá com os dois primeiros volumes da série A Novel of Secrets. Pois, pelas boas pontuações que apurei e pela sinopse interessante do segundo livro, creio que não estou enganada nesta intuição. Aliás, aguardo ansiosamente para ler Skin of Wolfs e tirar a prova. Apesar deste primeiro livro enveredar mais pelo estilo Dan Brown, relegando o sobrenatural para um segundo plano, eu ainda recomendo O Sangue do Cordeiro como uma leitura interessante. 

Comentários via Facebook

7 Comentários:

  1. Li o livro e concordo com tudo o que você disse. Gostei muito da sua resenha, está bem clara e direta. O livro é bom, mas ainda ficou a desejar no quesito sobrenatural. Também, esse negócio de envolver a Igreja já deu o que tinha de dar há muito tempo. Os autores precisam criar seu próprio estilo, fugir dos clichês e evitar ao máximo ficar se comparando com esse ou aquele escritor, só porque venderam milhões de exemplares num determinado estilo. Que é o caso de Dan Brow, por exemplo. Só por que Código Da Vince fez enorme sucesso ao atacar a Igreja Católica, não significa que o seu estilo tenha que ser o único a marcar uma tendência literária. É preciso ter visão e ecletismo, quando se pensa em escrever um livro, não só visando o modismo da época; pois, modismo passa, estilo próprio, não.

    ResponderExcluir
  2. Li o livro e concordo com tudo o que você disse. Gostei muito da sua resenha, está bem clara e direta. O livro é bom, mas ainda ficou a desejar no quesito sobrenatural. Também, esse negócio de envolver a Igreja já deu o que tinha de dar há muito tempo. Os autores precisam criar seu próprio estilo, fugir dos clichês e evitar ao máximo ficar se comparando com esse ou aquele escritor, só porque venderam milhões de exemplares num determinado estilo. Que é o caso de Dan Brow, por exemplo. Só por que Código Da Vince fez enorme sucesso ao atacar a Igreja Católica, não significa que o seu estilo tenha que ser o único a marcar uma tendência literária. É preciso ter visão e ecletismo, quando se pensa em escrever um livro, não só visando o modismo da época; pois, modismo passa, estilo próprio, não.

    ResponderExcluir
  3. Oi Livy, que pena que não gostou, uma das poucas que vi até agora. Eu mesma ainda não li, mas pretendo ler.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  4. Eu ainda não li, mas sabe quando você tem a impressão de que o livro vai ser fraco só pela capa? XD
    Adorei a resenha Li *O*

    http://meubaudeestrelas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Gostei da resenha Livy. Parece ser uma trama bem interessante, até mesmo por ter todo esse lance religioso, mas saber que propriamente o terror dito deixou a desejar me desanimou um pouco. Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  6. Olá Livy,
    Gostei bastante da sua resenha, é uma pena que o livro não te encantou tanto, mas como você disse quem sabe no próximo né?
    Não é muito o meu tipo de leitura mas achei bem interessante.
    Bjs e até mais.
    http://diarioelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Amo esse tipo de livro, o enredo me cativa a cada página! Nunca li esse, mas espero gostar, como admiro bastante o trabalho Dan Brawn vamos ver né! Beijos, o blog é lindo e sucesso.

    www.livroslov.blogspot.com

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por