[Resenha] Sequestrados, de Robert Crais

09 junho 2015
Postado por Livy

Livro cedido pela editora para resenha
ISBN: 978-85-04-01919-3
Tradução: Cayo Candido
Ano: 2015
Páginas: 304
Editora: Companhia Editora Nacional  
Classificação: ♥♥♥
Quando Nita Morales contrata Elvis Cole para encontrar sua filha desaparecida, ela não está com medo, mesmo tendo recebido um telefonema pedindo resgate. Ela sabe que é uma farsa, que sua filha está com o cara que Nita chama somente de “aquele garoto” e que eles precisam de dinheiro. Mas ela está errada. A moça e o namorado foram sequestrados por bajadores – bandidos que se aproveitam de outros bandidos, profissionais da fronteira que se aproveitam não só de vítimas inocentes, mas um do outro. Eles roubam drogas, armas e pessoas – comprando e vendendo vítimas como mercadorias, e matando aqueles que não geram negócio. Elvis Cole e Joe Pike encontram o local onde o casal foi sequestrado. Há marcas de pneus, cápsulas de balas e manchas de sangue. Eles sabem que as coisas podem não ser tão ruins quanto parecem. Mas eles também estão errados, porque a situação está prestes a piorar. O próprio Cole é sequestrado quando, à paisana, localiza os dois jovens e tenta comprá-los de volta. E agora cabe a Joe Pike refazer os passos de Cole, infiltrando-se no duro e perigoso mundo do tráfico de pessoas para encontrar seu amigo. O problema é que pode ser tarde demais... 

Como é bom encontrar em um romance policial todos os bons elementos literários que nos traz satisfação e prazer de leitura, e no final ainda ficamos com aquele bom e velho gostinho de "quero mais". Sequestrados nos possibilita tudo isso, porque é uma história muito legal que prende nossa atenção desde a primeira página. Quando nos damos conta, estamos lendo avidamente.

Eu havia dito isso na minha resenha de Suspeitos que li no ano passado, e que recapitulo aqui para reforçar o que penso de Robert Crais: um ótimo autor de thrillers de suspense e ação, com uma escrita viciante, com personagens cativantes e uma trama que me fez querer devorar o livro de um só fôlego. Robert Crais é autor de dezenas de livros de ficção policial, e muitos deles já despontaram em primeiro lugar na lista de best-sellers do New York Times. Crais é detentor de diversos prêmios literários nos Estados Unidos.

O primeiro livro da série Elvis Cole e Joe Pikes foi The Monkey's Raincoat, de 1987, e recebeu dois prêmios no ano seguinte como melhor romance do ano. De lá para cá foram lançados 16 livros com os personagens Cole e Pikes. Sequestrados (Taken), de 2012, é o décimo quinto da série. Os outros demais títulos da série, em ordem crescente, são: Stalking the Angel (1989), Lullaby Town (1992), Free Fall (1993), Voodoo Riber (1995),  Sunset Express (1996), Indigo Slam (1997), L.A. Requiem (1999), The Laste Detective (2003), The Forgotten Man (2005), The Watchman (2007), Chasing Darkness (2008), The First Rule (2010), The Sentry (2011) e The Promise (2014), todos ainda inéditos no Brasil. Crais também é autor de outros livros não seriados, como Demolition Angel (2000), Hostage (2001), The Two-Minute Rule (2006) e o maravilhoso Suspeitos, de 2013, esse editado por aqui pela Companhia Editora Nacional.

Sequestrados é um thriller policial com muita ação e uma carga dramática intensa. O livro é dividido em vários pontos de vista, que formam as partes com o nome dos principais personagens, subdivididos em capítulos. Assim, ora temos a trama na pessoa de Elvis Cole; ora vista pela dupla Jack e Krista, o casal de jovens sequestrados; ora pela ótica de Joe Pikes e Jon Stone – mas apenas a de Elvis Cole é em primeira pessoa. Desta forma, a cada mudança de ótica, Crais nos dá uma espécie de contagem de tempo para cada cada ação em andamento. Por exemplo, quando estamos lendo na voz de Elvis Cole, a parte inicia-se como: Elvis Cole, quatro dias antes de ser sequestrado. No caso dos sequestrados: Jack e Krista, nove horas depois de serem sequestrados; e assim por diante. O que é sensacional, porque isso nos informa que as coisas estão se tornando críticas a medida que o tempo passa e a situação não é resolvida.

Elvis Cole e Joe Pikes estão lidando com uma máfia de escravagistas modernos, sádicos e violentos, que ganham a vida sequestrando, torturando e matando pessoas na fronteira da Califórnia com o México. Enquanto outras facções trazem imigrantes ilegais para os Estados Unidos para trabalharem em serviços escravos em fábricas clandestinas, os  bajadores do Sírio roubam os imigrantes ilegais e os usam para pedir resgate aos seus familiares. Chineses, coreanos e latinos são as vítimas frequentes. E a cada novo pedido de resgate, as vítimas são torturadas brutalmente, antes de serem assassinadas e jogadas numa vala comum no meio do deserto.

Jack e Krista estão no lugar errado e na hora errada quando os bajadores do Sírio atacam um comboio de imigrantes ilegais no deserto, e são levados e mantidos em casas alugadas no deserto, onde são submetidos a condições desumanas. Tortura, estupro e sadismo são as rotinas diárias dos mais de duzentos imigrantes mantidos como reféns. E para encontrar o casal, Elvis Cole e Joe Pikes farão uma investigação cheia de conflitos e consequências imprevisíveis, correndo contra o tempo para impedir que agentes federais atrapalhem a investigação e coloquem  Jack e Krista em perigo maior do que já estão. Para complicar a situação, Elvis Cole se deixa sequestrar pelos bajadores, pois, segundo ele acredita, essa é a única forma de apanhar Ghazi al-Diri, o temido Sírio. O que Cole não espera é que o Sírio não se deixa enganar facilmente. Assim, cabe a Joe Pikes e Jon Stone encontrar uma forma de impedir a investida dos agentes federais e salvar Cole, ao mesmo tempo que tem que preservar a própria vida ao lidar com os coiotes  de Los Angeles.

Robert Crais me deixou com o coração na mão ao longo desse livro. A tensão constante, a ação bem dimensionada, os momentos angustiantes e sofridos vividos pelos sequestrados, a falta de colaboração e rivalidade entre os coiotes dificultando a investigação e a obstinação de Cole e Pikes, fazem de Sequestrados uma leitura tensa e intensa tanto quanto a própria trama.

Francamente, eu não consigo me imaginar na situação vivida por Krista. E lamento por saber que, apesar de Sequestrados ser uma obra de ficção, Crais se baseou em situações que acontecem o tempo todo na Fronteira. Milhares de pessoas desaparecem todo o ano tentando cruzar a fronteira do México com os Estados Unidos, vítimas de gente gananciosa e de policiais corruptos e, principalmente, do próprio desejo (ilusão) de uma "oportunidade de vida melhor". Sequestrados, além de ser um ótimo thriller de ação policial, é, acima de tudo, um alerta do que se passa nos limites da terra do Tio Sam, cujo olhar das autoridades nem sempre – ou quase sempre – é favorável aos imigrantes ilegais. E se considerarmos que estamos em pleno século XXI e o trabalho escravo ainda é mantido em muitos países do mundo, inclusive aqui no Brasil, em fábricas clandestinas, só nos faz deplorar e repudiar tamanha desumanidade.

Sequestrados, assim como Suspeitos, é altamente recomendado. Adorei a capa do livro (mesmo simples), a forma como Robert Crais escreve, os personagens, a trama – haja unha pra roer, meu Deus -, o desfecho final e uma dúzia de outras coisas legais que o tornam um thriller policial bem acima da média. Um ótimo trabalho editorial da Companhia Editora Nacional.

Aliás, espero sinceramente, como leitora apaixonada por thrillers de ação e suspense policial, que a Editora Nacional lance os demais títulos da série Elvis Cole e Joe Pikes, também. E se possível, urgentemente! Sequestrados já está na lista de melhores lidos no ano, sem dúvida alguma. 

Comentários via Facebook

9 Comentários:

  1. Comprei Sequestrados faz poucos dias e logo logo pretendo lê-lo, pois todas as resenhas que li falam muito bem.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi,
    Caramba não sou chegada a romances policiais, mas fiquei mt curiosa!
    Bjs!
    Viciados Pela Leitura

    ResponderExcluir
  3. Nossa, é um enredo meio complexo, mas bem instigante!
    Desde que li Garota Exemplar comecei a me interessar mais por estórias assim!

    Beijos
    O Outro Lado da Raposa

    ResponderExcluir
  4. Nossa Livy que resenha maravilhosa do livro. Ainda não li nada do autor, mas depois desse resenha preciso ler urgentemente. Você escreveu de um jeito que deu para entender bem a história. Adoro romances policiais e gostei do assunto abordado. Infelizmente mesmo sendo essa uma ficção, sabemos que a realidade é muito parecida.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Oi, Livy!
    Adoro thriller policial. Esse parece ser realmente incrível. Principalmente por se tratar de um tma tão recorrente nas fronteiras.
    Fiquei curiosíssima para saber o desfecho de tudo.
    Adorei a dica.
    Beijos

    Construindo Estante || Curta a fan page
    #MêsDosNamorados do Costruindo Estante. Concorra a 1 vale presente de R$ 50,00 da Saraiva.
    Participe!

    ResponderExcluir
  6. Oie Livy =)

    Você sabe que não curto muito esse estilo de livro, mas depois de ler a sua resenha fiquei bastante curiosa. E agora? rs...

    Parabéns linda!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  7. Oi Livy! Eu sou apaixonada por livros dos gênero e ainda não tive a oportunidade de ler nenhum deste autor, sua empolgação contagiante faz qualquer um ter vontade de sair correndo e comprar o livro, aliado a isso temos na história uma tem diferente e realista. Preciso de mais motivos para ler? Dica anotada, adorei a resenha.

    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  8. O livro é maravilhoso !! Mas eu estranhei muito a traduçao. Muitos erros! Alguem teve a mesma percepçao?

    ResponderExcluir

Veja os antigos!

Banner Publicidada – rodapé

Todos os textos, fotos e resenhas publicados são produzidos por e de uso exclusivo de No Mundo dos Livros. Exceto quando alguma matéria se baseia/inspira em alguma fonte, a mesma será sempre citada. Por isso, por favor, não copie nenhuma postagem sem a devida autorização.

Desenvolvimento com por